O fim das redes sociais como conhecemos e as lições de marketing que tiramos disso

Já percebeu que as redes sociais estão pouco a pouco perdendo as suas identidades e vocações iniciais?

Há um tempo o Facebook deixou de ser o local onde a gente ia com prazer reencontrar antigos amigos, um espaço de convivência com eles e com a família.

O Instagram se desviou completamente do seu DNA, de um ambiente em que a gente seguia momentos mais íntimos e glamorosos de vida das pessoas conhecidas, cheio de fotos e com certo ar de sonhos e aspirações.

O Twitter perdeu aquele caráter de rede de informação – de até 140 caracteres.

Até no YouTube deu para sentir diferença. O canal passou a destacar os shorts e, com isso, induzir a uma mudança: de vídeos mais profundos para os menores, mais focados em entretenimento.

Mas o que mudou basicamente nas redes sociais?

Todas elas se desviaram dos seus posicionamentos por conta do sucesso da chinesa TikTok, a rede que conseguiu popularizar seus vídeos curtos e quase sempre bem-humorados e viciantes, repletos de dancinhas e dublagens.

Em comum, Facebook, Instagram, Twitter e YouTube abriram espaço para os formatos audiovisuais de pequena duração por meio, por exemplo, de Reels, Stories e têm estimulado cada vez mais o seu uso.

Em muitos deles, como no Facebook e Instagram, o algoritmo também adotou o modelo do TikTok e, além disso, tem recomendado cada vez mais conteúdos de desconhecidos.

Na prática:

  • passamos a ver mais publicações que eles definem por meio de identificação dos nossos perfis: hábitos de navegação, gênero, idade, crenças religiosas e políticas.
  • e visualizamos menos do que as pessoas amigas postam, aquelas que escolhemos ter em nosso feed.

O que podemos aprender com isso?

Mas o que essas mudanças significam para nós – agências e clientes – que usamos essas mídias em nossas vidas e em nossos projetos digitais?

E mais importante: na prática, que lições de marketing podemos tirar disso? .

São essas reflexões que a Mais Resultado trouxe nesse artigo.

Continue aqui conosco e veja

  • Lição #1: experiência do usuário (como público leigo ou social media)
  • Lição #2: marcas que perdem suas propostas de valor inicial
  • Lição #3: especialização cada vez mais importante

Lição #1: experiência do usuário (como público leigo ou social media)

Nós, como agência de comunicação, estamos sempre acompanhando as experiências dos usuários.

E a sensação que fica é a de que a reação em geral – como público leigo ou profissional – não tem sido boa.

Alguns comentários bem significativos que temos ouvido são:

“O Facebook virou um grande vazio.”

“O Twitter tem me deixado de mau humor.”

“No início (do Facebook), eu me surpreendia revendo gente que não via há anos, sabendo como eles estavam, conhecendo as fotos dos filhos…”

“Eu sou estrategista de conteúdo e não aguento mais ter que alterar toda hora o meu trabalho porque o Instagram anunciou uma nova mudança para acompanhar a concorrência.”

“Como profissional da área, acho todas essas mudanças muito inconsistentes.”

“O novo feed do Insta é xerox do TikTok. Se for para usar a cópia, prefiro o original.”

E como sempre dizemos aqui: em vez de seguir modismos, os produtos e serviços devem considerar as experiências das pessoas que o usam. Além do seu diferencial.

E daí já emendamos no próximo tópico.

Lição #2: marcas que perdem suas propostas de valor inicial

Não importa se o produto é físico ou digital, o mundo do marketing tem as mesmas regras para todos.

E uma delas é que para se diferenciar e conquistar um espaço na mente e no coração das pessoas, as marcas têm que ter um posicionamento bem definido.

Têm que conhecer e reforçar seus diferenciais, o que as torna únicas no mundo.

O que as redes sociais estão fazendo é justamente o oposto disso.

No desespero de ver o sucesso do concorrente estão querendo virar TikTok e abrindo mão das suas próprias estratégias e DNA’s.

Lição #3: especialização cada vez mais importante

E por fim esse assunto deixa outra importante reflexão.

Essa também é mais uma razão para você entregar seu projeto nas mãos de uma agência com profissionais especializados.

Você que tem a sua loja, sua clínica ou escola, por exemplo, não tem obrigação (e nem tempo) de conhecer todo esse dinamismo do mundo online. Enquanto nós respiramos isso.

Faz parte da nossa rotina consumir esse conteúdo, analisar, nos preparar para eventuais mudanças de forma que os resultados dos nossos clientes sejam sempre maiores e melhores.

Se você quiser conversar sobre isso e contar com a nossa parceria, venha tomar um café conosco na Mais Resultado.

Post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.